Connect with us

Olá, o que você está procurando?

Cinema

Crítica – The Flash

Finalmente The Flash chega aos cinemas brasileiros a partir desta quinta-feira, 15. Com o fim do DCU, o filme não era muito esperado, até as primeiras exibições lá fora causarem um verdadeiro hype. Alguns dizendo que The Flash é o melhor da história com super-heróis, outros chamando de obra-prima. Mas, será que eles estavam certos?

Quando Barry Allen (Ezra Miller) descobre que pode viajar no tempo, a primeira coisa que ele pensa é voltar ao passado e salvar a mãe dele, que foi assassinada e o pai é o principal suspeito. Ele volta para o passado, mas não para a época que ele esperava e nem o universo que ele queria, causando uma verdadeira confusão de tempo e espaço – mais ou menos o que já vimos em “Homem-Aranha: Sem Volta para o Lar”, “Doutor Estranho e o Multiverso da Loucura” e, no mais recente, “Homem-Aranha através do Aranhaverso”.

Nesse novo universo, ele encontra sua versão com 18 anos de idade – ainda sem ter sofrido a descarga de raio que deu os poderes para ele. Há o Batman é uma pessoa diferente, mas ainda sim Bruce Wayne, aqui interpretado por Michael Keaton, que viveu o personagem em Batman (1989) e Batman – O Retorno (1992). E Superman nunca chegou à Terra, mas sua prima, a Supergirl, sim.

Nessa loucura, Barry Allen deve tentar encontrar uma forma de refazer as besteiras que fez para colocar tudo de volta ao normal.

Agora, sem mais delongas e respondendo ao primeiro parágrafo: The Flash está longe de ser uma obra-prima. Mas não é um filme ruim. É um longa divertido, que será mais aproveitado ainda por quem tem mais de 35 anos e vai entender as diversas referências e easter eggs que aparecem pipocando na tela – ainda mais no final, que é bem divertido.

Ezra Miller se sai bem como Barry Allen/The Flash. Michael Keaton também se destaca como Batman. Mostrando que ele poderia ter interpretado o personagem mais vezes, além das duas. Já a atriz Sasha Calle, que interpreta Supergirl é subaproveitada, até como personagem.

O roteiro de Christina Hodson, que já tinha feito os fracos “Bumblebee” e “Aves de Rapina” até se sai bem no drama familiar, mas peca quando estamos para ver a Terra ser destruída pelo general Zod (Michael Shannon). E deixa a principal pergunta no ar: quem matou a mãe de Barry Allen?

Com suas 2h20, The Flash é um filme divertido, não mais do que isso. Em se tratando de filmes da DC, já é um grande avanço, mesmo sabendo que os próximos filmes estarão fora desse universo. Ah, e tem uma cena pós-créditos!

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia mais

Perfil

Conheça a trajetória dessa baiana de sucesso

Gente

A renomada cientista baiana Dra. Jaqueline Goes, reconhecida por coordenar a equipe que sequenciou o genoma da COVID em tempo recorde, participou hoje, 15,...

Gastronomia

Granja União Merlot Rosé ganha rótulo especial para brindar a nova estação

Gastronomia

Novidades são versões inéditas do sabor do momento e ficarão por tempo limitado no cardápio

Cinema

Longa é uma obra-prima e ainda tem a presença marcante do baiano Wagner Moura

Gente

Em clima de festa, o engenheiro agrônomo e paisagista Alex Sá Gomes celebrará seu 61º aniversário em grande estilo, reunindo seus amigos e familiares em São Paulo. Com a...

Gente

Parada obrigatória no roteiro gastronômico de Salvador, o Cafélier completou 30 anos de atividade neste domingo (14). O empresário Paulo Vaz recebeu amigos e...

Música

A cidade de Salvador se prepara para receber a estreia da edição baiana da turnê “Jorge & Mateus Único”. O evento está agendado para...