Connect with us

Olá, o que você está procurando?

Streaming

Crítica – Matador de Aluguel

Estrelado por Patrick Swayze, o primeiro Matador de Aluguel (1989) era um marco do cinema de ação canastrão dos anos 80. Era um filme tão estúpido, tão absurdo, tão exagerado que se tornava genial e divertia pelo modo sério como a direção e elenco abordavam um texto tão risível, conferindo um charme canastrão à fita. A nova versão de Matador Aluguel produzida pela Prime Video, por outro lado, parece não se decidir entre o camp e a seriedade resultando em uma produção sem muita personalidade.

Na trama, Dalton (Jake Gyllenhaal) é um ex-lutador de MMA que deixou o ambiente profissional das lutas depois de um evento traumático. Sem trabalho e sem perspectiva, ele é procurado por Jackie (Jessica Williams) para ser segurança em seu bar no sul da Flórida. A casa tem sido alvo de gangues de motoqueiros e ela precisa de alguém para por ordem no lugar. Chegando lá Dalton se envolve com a médica Ellie (Daniella Melchior) e descobre que o bar está na mira de um magnata local.


De início parece que o filme irá pender mais para a comédia, como fica visível na cena em que Dalton enfrenta os motoqueiros no bar pela primeira vez e depois os dá carona ao hospital. Conforme a narrativa avança, porém, o filme tenta desenvolver os traumas passados de Dalton e examinar a relação complicada de Ellie com o corrupto pai policial e as coisas passam a ser levadas mais a sério do que um material dessa natureza exigiria. Como a trama vacila entre o absurdo e a seriedade, o filme sofre com uma inconsistência tonal na qual nunca fica claro exatamente o que os envolvidos querem com esse material.

O único que parece abraçar a natureza exagerada desse universo é o lutador Connor McGregor que interpreta Knox, um mercenário sádico contratado para dar conta de Dalton. McGregor devora o cenário sempre que está em cena, fazendo de Knox um maluco histérico imprevisível e violento que nos deixa em suspense a respeito da próxima maluquice que ele irá tentar fazer.

As cenas de ação são o principal acerto da produção. Filmadas com câmera na mão e em vários planos longos, o filme nos faz sentir como se estivéssemos no meio do bar enquanto a pancadaria come solta. As lutas não economizam na violência, mostrando bastante sangue e ossos quebrados embora nunca cheguem perto do exagero do original no qual Dalton executa golpes dignos de Fatalities de Mortal Kombat ao arrancar a garganta de um sujeito com as mãos.

Com uma trama genérica e desprovido do charme tosco do original, nem mesmo a ação bem conduzida é o bastante para evitar que Matador de Aluguel seja bastante esquecível.

Leia mais

Música

Com shows de Luiz Caldas, Negra Cor e Herbert Richard, o evento Black Tie celebra os 72 anos do hotel e os 18 da...

Streaming

Mais uma daquelas continuações tardias de alguma propriedade intelectual célebre dos anos 80 e 90, a produção da Netflix Um Tira da Pesada 4: Axel...

Música

O som do cantor Belo vai tomar conta do Armazém Convention. Considerado um dos principais nomes da música brasileira e ícone do pagode romântico,...

Gente

A Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário da Bahia (ADEMI-BA) realizou a cerimônia do 27º Prêmio ADEMI-BA, a premiação mais longeva do...

Teatro

Espetáculo terá seis sessões em Salvador, em dois finais de semana

Beleza

A grande novidade na indústria da beleza é a chegada do blush em pó Soft Pinch ao Brasil, um produto que promete transformar a...

Gente

Lançamento bem-sucedido marca um capítulo importante na carreira da escritora