Connect with us

Olá, o que você está procurando?

Gente

Filme conta a história do artista baiano Robertinho que brilha na Europa

Foto | Daniel Zarvos

Robertinho, um multiartista brasileiro queer, andrógino, negro e de Candomblé há mais de três décadas encanta Paris com sua arte. Nascido em Santo Amaro da Purificação (BA), Roberto Chaves é o protagonista do filme “Madeleine à Paris”, de Liliane Mutti. É sob o olhar sensível da cineasta – que há seis anos acompanha seus passos -, que o protagonista entra em cena para contar sua história de resistência para o mundo todo. O filme terá sua pré-estreia mundial dia 2 de abril, na 26ª edição do Festival do Cinema Brasileiro de Paris. 

“Madeleine à Paris” é um filme que mostra as dificuldades e conquistas de um imigrante latino na Europa, o sonho de um artista, os limites e as superações da vida. As raízes transculturais tecem a trama que conta a caminhada de Robertinho, entre luzes, cores e plumas. A história desse personagem da vida real é mais do que um show, é um ato de resistência. 

“Ver minha própria vida nesse filme foi emocionante, uma redescoberta, onde revivi momentos do passado que me trouxeram até aqui. É muito gratificante ver os desafios e prazeres de tudo que passei, uma experiência mágica poder contar isso em um filme”, destacou Robertinho.  

O artista, que foi convidado para ir à Paris pela primeira vez quando ainda era office boy no gabinete do então vereador de Salvador, GIlberto Gil, é o idealizador da mais importante tradição afro-brasileira na Europa, a “Lavagem de Madeleine”, que, há mais de duas décadas é símbolo da cultura brasileira no país. O cortejo da “Lavagem de Madeleine” acontece há 22 anos em Paris, inspirado na Lavagem do Senhor do Bonfim e abre o calendário do verão europeu. A festividade começa na Praça da República de Paris e vai até a Igreja da Madeleine, onde lava-se  as escadarias da igreja. 

A celebração reúne a cada ano cerca de 60 mil pessoas, seguindo o trio-elétrico puxado por Carlinhos Brown e Roberto Chaves. Franceses, brasileiras e brasileiros, pessoas de diferentes nacionalidades, misturam-se nas ruas da capital francesa dançando ao ritmo dos atabaques. A lavagem integra ainda, a Rota dos Escravizados da UNESCO.

No filme, assistimos Robertinho como um orixá do cortejo da Lavagem e à noite, a outra faceta, com sua fantasia e performance de arlequim, no Cabaré Paradis Latin, onde começou a trabalhar há 33 anos. Em um sincretismo rítmico, particular e singular, Robertinho circula entre o tradicional catolicismo francês e sua origem de Axé, do recôncavo baiano, de quem cresceu sob a guarda e benção de Dona Canô, mãe de Caetano Veloso e Maria Bethânia. Entre uma edição da Lavagem e outra, ele viaja ao Brasil em busca de suas raízes familiares e espirituais.  Suas vivências entre os dois países, entre o masculino e o feminino, o sagrado e o profano, fazem do filme um profundo mergulho em busca da sua identidade.

“Madeleine à Paris é um road movie afro-queer entre Paris e Santo Amaro da Purificação, na Bahia”, conta Liliane Mutti, que coloca as duas cidades em diálogo no seu filme. “Essas duas cidades aparentemente tão opostas, são co-protagonistas do longa. Viajar por Paris no olhar desse imigrante ou pelo interior da Bahia na sua volta às raízes, nos dá a dimensão de como o mundo é diverso e de que a arte carrega a potência de romper fronteiras e inventar novos mundos possíveis”, destaca Liliane, que também aposta que esse é um filme pós-colonial: “a festa também é lugar de luta”.

“Madeleine à Paris” faz sua pré-estreia mundial dia 02 de abril, às 20h45, no Cinema L’Arlequin, localizado no 6ème arrondissement de Paris, encerrando a 26ª edição do tradicional Festival do Cinema Brasileiro de Paris. No festival estarão presentes Liliane Mutti e Robertinho. O ator Vicent Cassel e a apresentadora Cristina Cordula, padrinho e a madrinha da Lavagem da Madeleine, também são esperados para a pré-estreia do filme. 

O filme está previsto para chegar às telas dos cinemas em 2024, com distribuição da Bretz Filmes (BR). A obra é uma realização da produtora baiana Toca Filmes, com produção associada na França de François Combin (Urubu Filmes). Dirigido por Liliane Mutti (“Miúcha, a voz da Bossa Nova”; “Salut, mes ami.e.s !”; “Elle, Marielle Franco”), o filme tem direção de fotografia de Daniel Zarvos, que também assina a produção executiva, narração do ator francês Christopher Ecobichon.

Leia mais

Cinema

Longa é uma obra-prima e ainda tem a presença marcante do baiano Wagner Moura

Gente

A renomada cientista baiana Dra. Jaqueline Goes, reconhecida por coordenar a equipe que sequenciou o genoma da COVID em tempo recorde, participou hoje, 15,...

Perfil

Conheça a trajetória dessa baiana de sucesso

Gastronomia

Novidades são versões inéditas do sabor do momento e ficarão por tempo limitado no cardápio

Gastronomia

Granja União Merlot Rosé ganha rótulo especial para brindar a nova estação

Gente

Em clima de festa, o engenheiro agrônomo e paisagista Alex Sá Gomes celebrará seu 61º aniversário em grande estilo, reunindo seus amigos e familiares em São Paulo. Com a...

Música

A cidade de Salvador se prepara para receber a estreia da edição baiana da turnê “Jorge & Mateus Único”. O evento está agendado para...

Gente

Parada obrigatória no roteiro gastronômico de Salvador, o Cafélier completou 30 anos de atividade neste domingo (14). O empresário Paulo Vaz recebeu amigos e...