Conecte com a gente

Do Caos à Crônica

Piadista não-convencional

Publicado

em

Detetives particulares diriam que eu passo o dia inteiro rindo disfarçadamente das piadas que eu mesma me conto. Por uma falha genética, eu não nasci um tiozão do “é pavê ou pacumê?”. Assim, acabei me adaptando e hoje sou uma piadista não-convencional. Triste fim, viu? Porque nem todo mundo entende os meus gracejos. Já o tio do pavê é um privilegiado… Ele que tem sorte, afinal.

Esses dias me disseram: “Fernanda, eu nunca entendo as suas piadas…”. Nossa, fiquei arrasada! Mas contestei dizendo: “Meus amigos adoram e riem muito de tudo que eu digo…”. E, novamente, fui desacreditada: “Eles devem rir por educação, não?”. Achei isso um insulto ao meu senso de humor!

Mas, convenhamos, o tio do pavê que é verdadeiramente feliz… Ele ri tão alto da própria piada que não escuta o deboche de quem está em volta. E, no fim, todos acabam rindo da bobagem que foi dita. Então ele fica todo orgulhoso da piadinha…

Para cima de mim não, tiozão! O desprezo me domina de forma avassaladora quando conheço um desses sujeitos. Eles não me fazem rir de jeito algum. A inveja é terrível, meus amigos…

Vocês já viram um piadista não-convencional? Nós vivemos incompreendidos… Tipo adolescente em crise existencial. Estamos sempre contestando: “Como assim você não entendeu o que eu disse?”. E o pior é que a gente nem sabe explicar as piadas… E quando conseguimos, elas perdem a graça.

Para entender o gracejo de primeira, ou você entra na mesma frequência de ondas cerebrais e energéticas que a gente, estabelecendo uma simbiose cósmica, ou você não vai entender a piada nunca mais. É quase um fenômeno quântico! É tão raro que chega a ser emocionante! Portanto, sejam gentis conosco, e digam “NÃO” ao tiozão do pavê!

Continue Lendo
8 Comentários

8 Comments

  1. ANA FERRER

    2 de dezembro de 2019 em 08:03

    Gostei do estilo leve e
    descontraído

  2. Fernanda Sá

    2 de dezembro de 2019 em 13:47

    Que bom, Ana! Obrigada!

  3. Almir sa

    3 de dezembro de 2019 em 10:29

    Gostei muito bem lembrado

  4. Vinícius

    3 de dezembro de 2019 em 18:42

    Excelente. Parabéns.

    • Fernanda Sá

      7 de dezembro de 2019 em 22:08

      Obrigada!

    • Maria das Graças Pimentel Sá

      9 de dezembro de 2019 em 12:39

      Excelente leitura, interessante do começo ao fim, amei!
      Parabéns e muito sucesso! 👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻

  5. Anair

    4 de dezembro de 2019 em 05:43

    Adorei o texto. Me remete a mim mesma. É comum que peça um desenho detalhado para entender uma piada. Livre, leve e solto! É a sua crônica. Adorei! Parabéns Nanda! 👏👏👏😘❤️😘

    • Fernanda Sá

      7 de dezembro de 2019 em 22:10

      Vamos precisar fazer curso de desenho para facilitar, hein, Anair?! Rs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Do Caos à Crônica

O resto é só firula

Publicado

em

Ontem fui tomar um café numa dessas casas de chá e, como de costume quando estou só, fiquei observando as pessoas – esse é um dos meus passatempos favoritos. Intercalo os meus olhares curiosos com uma leitura, uma escrita, ou mexo no celular, até para que ninguém fique onstrangido.

Para o meu deleite, surgiu uma figura interessantíssima. Na verdade, em menor grau, era uma figura até comum. Explico-me, ela era uma mulher jovem, muito elegante, com unhas e cabelos impecáveis, roupa chique, toda maquiada. A primeira coisa que pensei ao vê-la foi: capa de revista!

Continuei a observá-la discretamente – eu estava quase uma investigadora da Interpol. Notei que ela aguardava por alguém, pois não conseguia desfrutar da própria companhia. Aos poucos, eu não conseguia mais enxergar deslumbre naquela moça. Ela era linda e estava tão arrumada, o que houve? A observei um pouco mais e entendi o motivo: ela não confiava nela mesma. Senti vontade de oferecer uma conversa das boas, daquelas que traz a pessoa para a realidade… Mas me lembrei eu estava bancando a agente secreta naquele momento.

Uma mulher segura não tem a ver com unhas de porcelana, maquiagem perfeita, cabelo modelado, corpo sarado, nem com roupas da estação. Tudo isso agrega valor, é claro. Quem não fica um espetáculo com esse somatório de atributos? Mas tudo isso é firula! Após o primeiro impacto, se não houver a autoconfiança, você percebe que algo está faltando.

Como qualquer pessoa, uma mulher segura tem insatisfações, vaidades e metas, mas isso não a impede de se amar, porque ela sabe do próprio valor. Ela sabe que é uma mulher incrível pelas atitudes que tem, pela forma com que se posiciona no mundo, e por tudo o que acredita.

Você percebe uma mulher segura pela forma com que ela anda, que ela fala, e que até se poupa de falar. Você a nota pelas escolhas… Pela sabedoria de cadasim e de cada não, porque ela tem uma combinação fascinante: inteligência emocional e amor-próprio.

Ela sabe – como dois mais dois são quatro – que um sorriso sincero, uma gargalhada contagiante, um olhar penetrante, uma conversa agradável valem muito mais do que qualquer maquiagem impecável. Ela sabe que o jeito dela é enebriante… E que o resto é só firula.

Continue Lendo

Do Caos à Crônica

Monstros e fadas

Publicado

em

Já notaram esse nosso hábito de julgar as pessoas em boas e más? É algo tão natural, tão automático, não é? E a gente erra toda vez. E isso é diferente de outras habilidades, porque quanto mais você pratica, mais você erra. Não adianta insistir. Porque, veja, ‘bom’ e ‘mau’, sempre será uma questão de perspectiva.

João é um empresário bem-sucedido, um patrão compreensivo, e é carinhoso com a namorada. No entanto, ele não registrou o próprio filho. A criança não tem contato com o pai e não recebe pensão. João é bom ou mau?

Ana Cláudia é uma mãe dedicada, uma filha zelosa com seus pais idosos, uma esposa fiel e amorosa. Mas Ana furta produtos de lojas. Ana Cláudia é boa ou má?

“Nossa, que monstro!”, quem nunca disse isso? Ou “Fulana é um anjo!”. Olha, sinto muito, mas anjos e demônios eu nunca vi! Fadas e monstros só vi nos meus sonhos e pesadelos mais criativos, elaborados pela liberdade da minha própria mente.

Nas minhas andanças prisionais, conheci muitas pessoas… As enxerguei sob as múltiplas perspectivas. Mas, inevitavelmente, todas que ali estão, foram julgadas como más pela justiça e como monstros pela sociedade.

O que eu posso lhe dizer? Estamos demonizando pessoas… Estamos desumanizando o outro e, assim, esquecendo a semelhança primordial e mais avassaladora entre você e eu: a nossa espécie. Não há monstros, nem anjos, nem fadas… Somos todos humanos.

Continue Lendo

Do Caos à Crônica

Não falo sozinha, converso comigo

Publicado

em

Nunca tive um amigo imaginário na infância… Até hoje eu não tenho – ainda bem, né? Porque na infância é até aceitável, mas na minha idade já seria esquizofrenia (com todo respeito aos esquizofrênicos, claro). Acredito que eu não tenha precisado criar um, porque sempre me virei muito bem, dialogando comigo mesma.

Pois é… Alguns agentes do F.B.I. (Familiares Bisbilhoteiros Intrometidos) já me flagraram tendo empolgantes conversas com… comigo! Certa vez, meu pai passou por mim quando eu estava muito concentrada fazendo “sabe Deus o que”, ele deu meia volta, parou na porta do quarto e disse: “Tá falando sozinha? Olhe… Isso não é normal…”.

Não falo sozinha, pai… Só bato um papo agradável com a minha pessoa, de vez em quando. E quer saber? Eu acho isso bem normal! Ora! Se a minha mente estiver abundante em pensamentos, elucubrando uma série de situações, e precisando compartilhar essa efervescência toda, eu vou ficar feito tonta esperando a companhia de alguém para falar? Eu não… Me viro só, ué!

Já comentei com vocês que a minha imaginação é impetuosa (só não o bastante para criar um bendito amigo imaginário). Então eu me faço perguntas, eu mesma respondo, dou dois reboliços e já apresento os contrapontos. A conversa rende por horas.

Bom mesmo é o falatório que extravasa, aquele que dá para tagarelar à vontade, em voz alta. Porque, às vezes, o murmurinho acontece apenas no cocuruto… Esse é péssimo! É aquele cochicho enjoado na cabeça, sabe? Não gosto assim. Ele acontece principalmente em público, porque não dá para a gente ficar dando uma de doida publicamente. Ou dá? Melhor não arriscar… Pelo menos, não toda hora.

Bom, vou continuar falando pelos cotovelos, trocando figurinhas comigo. Mas em público, vou fingir que sou normal, que é para evitar a fadiga.

Continue Lendo

Mais lidas